Coluna "Turismo": Itália (Vêneto) - parte 2

(publicada na edição 400)

Parte 1


Estamos na Itália, na região do Vêneto. Após pedalar pelos inúmeros caminhos que compõe o roteiro ciclo turístico, iremos conhecer as opções de turismo religioso que o local oferece. Em Vêneto, se situam espaços importantes para os devotos do cristianismo, como a cidade de Pádua, local onde Santo Antônio viveu e que possui uma belíssima basílica muito visitada por quem deseja casar em breve.


O caminho dedicado ao santo é uma experiência única e começa no Santuário del Noce di Camposampiero, onde, segundo a lenda, o religioso fez um importante sermão. O local é enfeitado com diversos afrescos datados do século XVI. Em seguida, o trajeto passa pela Edícula de Santo Antônio, que fica no local exato onde a carroça proveniente de Camposampiero mudou de direção e migou rumo ao monastério das mulheres pobres (o Santuário Antoniano), onde ele morreu em 1231.


Através desse trajeto, pode-se conhecer também o centro histórico de Pádua e a imponente Basílica de Santo Antônio, construída um ano após a morte do santo em estilos lombardo, toscado e bizantino e com oito cúpulas e duas torres com visual oriental. Muitos dos devotos costumam passar a mão pela pedra do túmulo de Santo Antônio, cujos restos morais se encontram no local, enquanto pedem que ele ajude-os a casar.


O caminho das Dolomitas também compõe o turismo religioso do Vêneto, que possui cerca de 30 etapas através das famosas cadeia de montanhas. Ele tem o formato de um anel: pode-se percorrer ele inteiro e voltar para o local inicial. Inspirado no Caminho de Santiago, ele pode ser feito por excursionistas experientes ou não. Apesar dos longos espaços percorridos, as passagens são seguras e fáceis de serem percorridas.


Nesse passeio, os visitantes partem do antigo Santuário dos Mártires Vittore e Corona e sobem o Parque Nacional das Dolomitas Belluneses, passando por minas abandonadas do Vale Imperina, trincheiras da Primeira Guerra Mundial e Pieve di Cadore, local de nascimento do pintor Tiziano. Dentre diversos pontos visitados, destaca-se, no âmbito religioso, Lorenzago di Cadore, o lugar escolhido por alguns Papas para as férias (o emérito Bento XVI esteve lá em 2014).


Fora das Dolomitas, o Monte Berico também reserva muitas atrações. É lá que se situa o Santuário de Nossa Senhora de Monte Berico, um lugar sagrado muito importante da região. O complexo é o resultado de duas construções, uma gótica e uma barroca, cujos estilos se completam no prédio. Há dois percursos até o local, ambos saindo da base da colina. Um deles é feito através de uma caminhada de aproximadamente 700m, passando por pórticos simbolizando os 15 mistérias e as Ave Maria do Rosário. Outra opção é subir uma antiga escadaria de 192 degraus.


No interior do complexo, há muitas obras de arte, como a tela “Cena di San Gregorio Magno”, de Paolo Veronese, que retrata o antigo refeitório dos servos de Maria. Há também um museu com móveis antigos, vestimentas, decorações sacras e o patrimônio histórico-artístico do local.

O litoral do Vêneto também possui atrações religiosas. A ilha de San Francesco del Deserto, situada entre Sant'Erasmo e Burano, é um voltado para a meditação e a oração. O eremitério foi fundado por São Francisco de Assis em 1220 e, após ele ir embora, enviou outros religiosos para morarem no lugar, dando continuidade à vocação do território. Atualmente, o local hospeda seis frades, mas os visitantes que desejam passar a noite no lugar podem dormir no convento. Os belos jardins, por onde pode-se caminhar e descansar, completam a calma da ilha, que é acessível somente por barcos privados.


Após pedalar pelo Vêneto e conhecer o lado religioso da região, chegamos ao fim de nossa viagem. Até a próxima!