Espaço na Tijuca ensina dança de salão a cadeirantes


(Foto: Divulgação)

Engana-se quem pensa que usar cadeira de rodas é um impedimento para dançar: é o que mostram as aulas do Projeto Carioca Sobre Rodas, que há dez anos ensina dança de salão para cadeirantes na Tijuca. O grupo, fundado por Viviane Pereira Macedo, tem feito tanto sucesso que as expectativas são de que uma segunda turma seja inaugurada, possibilitando um número maior de alunos, conforme Viviane conta em entrevista ao Jornal Posto Seis:


Jornal Posto Seis: Como surgiu a inspiração para ensinar dança de salão a cadeirantes?

Viviane Pereira Macedo: Eu me tornei pentacampeã de dança esportiva em cadeira de rodas e me inspirei justamente nesta dificuldade que tive para possibilitar outras pessoas a chegar neste sonho.


Jornal Posto Seis: Como são formadas as duplas?

Viviane Pereira Macedo: Existem infinitas possibilidades para dançar e sempre buscamos a integração. Já colocamos cadeirante com cadeirante para dançar, pessoa com deficiência para dançar com a família e até mesmo alunos da Escola Carioca de Dança (endereço do projeto).


Jornal Posto Seis: Qualquer cadeira funciona nas danças ou é necessário algum modelo específico?

Viviane Pereira Macedo: A cadeira de rodas é uma adaptação das pernas de uma pessoa, então ela precisa ser de acordo com cada tipo de corpo. Nós sempre recomendamos algum modelo leve e ágil para possibilitar a dança, mas essa prescrição é feita por um profissional de saúde capacitado.


Jornal Posto Seis: Como as aulas contornam as limitações dos alunos?

Viviane Pereira Macedo: Devido a falta de acessibilidade que geralmente observamos e aliada à precariedade nas calçadas e transporte, nós procuramos incentivar e motivar essas pessoas a obter momentos de lazer e melhorar sua auto estima através da dança.


Jornal Posto Seis: Como costuma ser a reação dos alunos quando percebem que mesmo em cadeira de rodas, podem dançar?

Viviane Pereira Macedo: Eles se sentem com mais liberdade, alegria e independência nas aulas de dança.


Jornal Posto Seis: Quantas turmas funcionam atualmente?

Viviane Pereira Macedo: Por enquanto estamos apenas com uma e estudando a possibilidade de abrir uma segunda. Por enquanto apenas não estamos atendendo o público infantil, de até 10 anos. Jornal Posto Seis: Onde as apresentações costumam acontecer? Viviane Pereira Macedo: Em vários lugares como escolas, eventos de dança, congressos e empresas.


Informações sobre as aulas podem ser obtidas pelo telefone 2288-1173