Coluna "Turismo": Serra da Canastra

(publicada na edição 387)


Olá viajantes da nossa coluna “Vamos com Guia Valle”. Nessa edição, vamos conhecer a Serra da Canastra, em Minas Gerais. Apesar de ser um pouco longe, vale muito a pena formar um grupo e partir para esse lindo cantinho do céu onde se fabrica um dos melhores queijos do Brasil e se encontra o parque nacional, que reúne belíssimas cachoeiras e a nascente do Rio São Francisco, além de impressionante fauna e flora.


A 680km do Rio, aproximadamente 11h de carro com paradas, fica a cidade de São Roque de Minas, principal entrada para o Parque Nacional da Serra da Canastra. Você pode escolher dois trajetos a partir do Rio: pela serra das Estâncias Hidrominerais, partindo da Rodovia Presidente Dutra, ou por Juiz de Fora, através da Serra de Petrópolis. Todas as duas são boas opções, sendo que a segunda possui mais retas e é um pouco mais rápida. Em ambos os trajetos existem belíssimas cidades caso queira pernoitar para aliviar um pouco a extensa viagem. Pelas Estâncias Hidrominerais, você pode escolher passar uma noite em Caxambu. Por Juiz de Fora, a cidade de São João Del Rei é uma ótima e prática escolha.


Em São Roque de Minas, cidade mundialmente conhecida como “Terra do Queijo” por produzir o famoso Queijo da Canastra, há mais de um século existem diversos atrativos turísticos naturais. Cachoeiras com quedas monumentais, corredeiras do Rio São Francisco, piscinas, poços de água cristalina e praias de água doce, como a de Copacabana, formam um complexo sistema de lazer.


Em nosso primeiro dia, vamos visitar a mais famosa cachoeira, a Casca D'anta (parte baixa), distante 40km do centro de São Roque. Essa é a primeira queda do Rio São Francisco, um dos cartões postais do Brasil. Durante esse passeio, vamos passar pelas cidades de Vargem Bonita e São José do Barreiro. Em Vargem Bonita é que estão localizadas as corredeiras e praias de água cristalina. Por lá existem pousadas, caso queira se hospedar em um local mais bucólico em harmonia com a natureza. São José do Barreiro é um pequeno vilarejo antes de chegarmos a portaria 4 (sul) do parque, onde há estacionamento e uma trilha a pé até a queda da Casca D'Anta. Nesse local existe estrutura de banheiro, área de piquenique e acesso para banhos no rio.


O segundo dia está reservado para conhecermos a parte alta da queda da Casca D'Anta, localizada na portaria 1 (leste), com uma linda e límpida piscina para mergulho. Durante o trajeto vamos passar pela nascente do Rio São Francisco, um dos mais importantes do Brasil, que nasce tímido no cerrado mineiro e se torna o gigante que viabiliza a irrigação da caatinga nordestina. No local, existe uma imagem de São Francisco com sua oração. Continuando o caminho, passamos pelo Curral de Pedra, um grande cercado construído de pedras encaixadas, puxadas por carro de boi. Mais à frente chegamos na parte alta da Casca D'Anta, com piscina e banheiros. Para quem deseja conhecer mais um pouco, basta seguir a estrada para chegar a Garagem de Pedra, a 43km de São Roque. De lá, pode-se apreciar o Vale dos Cândidos e a Serra da Babilônia.


No terceiro dia, aproveite para descansar e curtir a pequena cidade de São Roque de Minas. Caminhe pela praça, visite a igreja Matriz, faça as comprinhas nas lojinhas de artesanato e curta o almoço em um dos pequenos restaurantes típicos. Na manhã seguinte, prepare-se para conhecer uma das mais bonitas trilhas para chegar na Cachoeira do Cerradão. Num belo caminho atravessando o Rio do Peixe, em menos de uma hora você chega lá. Essa cachoeira fica dentro de uma Reserva Particular do Patrimônio Natural e atualmente é utilizada para educação ambiental.


Existem diversas cachoeiras, córregos, praias de água doce, piscinas naturais em toda a região. O melhor é se informar logo na chegada na recepção de sua pousada e pedir um mapa. Aproveite para observar a fauna e a flora, conhecer hábitos dos animais e se apaixonar pela cordialidade dos habitantes e,... comer muito queijo. Então, até a próxima edição!



Dicas:

Estradas dentro do parque - todas as vias são de terra. Não há necessidade de veículo 4X4, mas evite dias chuvosos, principalmente para visitar a parte alta (portaria 1 do parque) e a Cachoeira do Cerradão, caso seu carro não tenha tração.


Alimentação – sempre leve lanches reforçados para visitar o parque. Não existem restaurantes ou lanchonetes. Os restaurantes das cidades próximas fecham depois do almoço e só reabrem em torno das 18h.

Casca D'Anta – a queda d'água mais importante da região. Tanto na parte baixa quanto na alta existe um trilha que pode ser percorrida. Se você estiver em forma e gostar de uma boa caminhada, combine com um motorista para te deixar na parte alta e pegá-lo na parte baixa. Durante o caminho poderá apreciar pintasilgos, periquitos rei, águias chilena, tucanos e, se tiver sorte, veado campeiro, tatu canastra....


Queijos - são diversas fazendas que produzem o famoso queijo da Serra da Canastra. Os mais conhecidos são das fazendas Agroserra (Km 2 da estrada para parte baixa) e do Zé Mário (Km 4,5 da estrada da Cachoeira do Cerradão). A Pousada da Limeira também produz o queijo e fica na estrada para a parte baixa.


Trajeto: tanto pela estrada das Estâncias Hidrominerais quanto pela de Juiz de Fora (Barbacena, São João Del Rei) você chega a rodovia Regis Bitencourt (São Paulo/Belo Horizonte). De lá, em direção a BH, siga em direção a Campo Belo, Formiga, Piumhi até São Roque de Minas.