Coluna "Turismo": Ouro Preto e Mariana

(publicada na edição 542)


Já pensou em visitar as cidades históricas de Minas? Elas compõe um circuito que alia além das belas construções do passado, boa gastronomia. Ouro Preto é um destino bastante procurado no carnaval, mas que merece ser visitado ao longo do ano todo devido aos seus atrativos. Combinado com a vizinha, Mariana, é um destino perfeito para um feriadão. Saindo de Belo Horizonte, chega-se nela com menos de duas horas de viagem. Preparado para conhecer esse pedacinho da história do Brasil?


Ouro Preto é como um museu a céu aberto, repleto de construções coloniais que, por si só, já faz a viagem valer a pena. Prepara-se para caminhar muito em meio às ladeiras (metade da cidade é montanhosa), observando os inúmeros muros de pedra erguidos pelos escravos. A Praça Tiradentes é o ponto de partida dos principais turistas, além de ser o local onde muitos guias de turismo oferecem passeios aos visitantes. Caso opte por um, converse bastante com o profissional para avaliar se ele é capaz de passar a melhor experiência. Questione informações sobre o passeio (como a duração, por exemplo), o veículo a ser usado (ele será capaz de subir, com segurança, alguns trechos?), quem será o motorista, etc.


Se optar por conhecer a cidade a pé, o Museu da Inconfidência fica exatamente na praça, com informações relacionadas ao passado da região, de Tiradentes e dos outros inconfidentes no próprio prédio que serviu de cadeia. No acervo, diversos objetos da época do ciclo do ouro podem ser conhecidos. Ali atrás, fica a Igreja de Nossa Senhora do Carmo, uma das últimas obras de Manoel Francisco Lisboa, o pai de Aleijadinho – o filho também participou da construção. O templo foi concluído em 1766 e é apontado como uma joia barroca. Na frente dele, a Feira de Pedra Sabão é imperdível para os turistas. Aproveite para comprar ali os souvenires da viagem: eles são feitos pelos próprios artistas, usando matéria-prima local.

Museu da Inconfidência, em Ouro Preto (Foto: Acervo Setur-MG/Sergio Mourão)

Perto dali fica outra igreja imperdível, a de São Francisco de Assis, outra obra-prima de Aleijadinho. Adornada com pinturas de Mestre Ataíde, trata-se de uma das principais construções do período colonial, o que faz a visita ser imprescindível. Os apreciadores destes espaços não podem perder ainda a Matriz Basílica de Nossa Senhora do Pilar, uma das mais ricas da região, adornada com quase meia tonelada de ouro e mais a mesma quantidade de prata.

Igrejas de São Francisco de Assis e a de Nossa Senhora do Carmo, em Mariana (Foto: www.minasgerais.com.br)
Basílica de Nossa Senhora do Pilar, em Ouro Preto (Foto: www.minasgerais.com.br)

De lá, pode-se seguir a pé também para a Casa da Ópera, o teatro mais antigo do Brasil e ainda em funcionamento. Em junho, a casa completa 250 anos. Caso não seja possível assistir nenhuma apresentação, não deixe de fazer a visita guiada. É imperdível! Outro passeio bastante apreciado é o museu Casa de Contos, com uma vasta coleção de moedas antigas brasileiras. O acervo traz ainda os equipamentos usados, no passado, para cobrar impostos da população e a derrama. Parte do imóvel já foi uma senzala e esse passado é relembrado como maneira de conscientizar os frequentadores acerca dos horrores do passado.

Casa da Ópera, em Ouro Preto (Foto: Divulgação/Facebook Casa da Ópera)

Quem quiser conferir outro aspecto de antigamente – no caso, a mineração artesanal – pode escolher alguma das minas para visitar. A Du Veloso foi aberta por escravos africanos na época do ciclo do ouro, há aproximadamente 300 anos, e ao percorrer as galerias, a história do local é contada pelos guias, que também apresentam detalhes geológicos daquelas pedras. Há ainda outras opções, mais perto do Centro Histórico, como as do Palácio, do Bijoca e de Chico Rei (nesta, é necessário se agachar para percorrer certos trechos), porém, menores. A maior delas é a da Passagem, a mais comprida do mundo aberta para visitação, profunda 120m e a única da área onde o interior é acessado por meio de carrinhos.

Mina da Passagem, em Mariana (Foto: www.minasgerais.com.br)

Esta mina fica no caminho para Mariana, a próxima cidade do roteiro, situada a apenas 14km de Ouro Preto. Nela, também é possível circular a pé pelo centro histórico. Antes de chegar nele, a parada é obrigatória na Igreja São Pedro dos Clérigos, de meados do século XVIII. Nunca concluída, ela fornece vista panorâmica da cidade, já que é situada em um ponto alto, e diferente das demais coloniais, possui a fachada avermelhada devido ao uso de arenito em sua construção.

Igreja São Pedro dos Clérigos, em Mariana (Foto: www.minasgerais.com.br)

Já no Centro Histórico, é na Praça Minas Gerais que ficam as chamadas igrejas gêmeas: a de São Francisco de Assis e a de Nossa Senhora do Carmo. A primeira é um projeto de Aleijadinho e é o local onde jaz Mestre Ataíde, um dos expoentes da arte brasileira. Já a segunda foi parcialmente destruída por um incêndio, em 1999, e o que se vê atualmente é sua reconstrução, que preserva as características originais e segue apontado como um dos mais bonitos da região. Bem na frente, fica a Casa de Câmara e Cadeia, outro casarão histórico com entrada franca. Portanto, dê uma entradinha pra conhecê-la. O prédio já teve diversos usos, de quartel à seda da Prefeitura, e nele, pode-se conferir móveis originais e a própria arquitetura.

Casa da Ópera, em Ouro Preto (Foto: Divulgação/Facebook Casa da Ópera)

A poucos metros dali fica a Praça Gomes Freire, cujo entorno reúne bons restaurantes e lojinhas variadas que vendem de tudo, principalmente artesanato. Experimente parar ali para o almoço, ou, então nas imediações da Praça da Sé, exatamente ao lado. É nela que fica a Igreja Matriz Nossa Senhora da Assunção, de 1703, endereço de um charmoso museu de arte sacra. O destaque fica por conta do órgão original de 1700, que pertencia à Corte portuguesa, e que é um exemplar único no Brasil.


Quem deseja continuar a visitar outras cidades histórias pode seguir a Sabará, Congonhas, Tiradentes e São João D’El Rey, ou mesmo seguir em outra direção, a partir de Belo Horizonte, e dedicar algum tempo a Diamantina. O que não falta em Minas são opções charmosas para seu feriado ou férias. Considere este destino em sua próxima viagem.