top of page

Coluna "Copacabana 130 anos": as escolas de samba que escolheram o bairro como enredo


O carnaval 2023 chegou! As ruas estão cheias de foliões aproveitando a festa e à noite, o espetáculo das escolas de samba irá encher a Marquês de Sapucaí. Você sabia que Copacabana já foi enredo de cinco delas?


O primeiro a escolher este tema foi a Unidos de Vigário Geral, em 1991. A agremiação, que realizava seu primeiro desfile, antecipou o centenário do bairro com “Cem Anos nas Ondas de Copacabana” e abordou desde os índios aos surfistas, passando pelo Cassino Atlântico e outros ícones do bairro ao longo de sua história, além de citar os encontros das diferentes classes sociais nos espaços de lazer e a boêmia. O conjunto passou pela Avenida Presidente Vargas na segunda-feira de carnaval, ainda no grupo de avaliação, e foi a campeã o que a levou ao Grupo C no ano seguinte.


Passados três anos, foi a vez da Villa Rica, com sede no bairro, na Ladeira dos Tabajaras, desfilou “Copacabana, Meu Amor”. Abordando desde as praias à vida noturna, o samba foi apresentado na orla antes do desfile, conquistando o público que prestigiu aquele momento. Com um abre-alas repleto de neon, novidade naquela época, e trazendo Luciana Sargentelli de rainha de bateria, a escola ganhou seu primeiro título no Grupo A, o que a levou, em 1995, para o Grupo Especial.


O desfile seguinte levou a região para o Amazonas, quando a Mocidade Independente do Coroado, de Manaus, escolheu “Copacabana, Cartão Portal do Brasil” como seu enredo de 1999. A agremiação destacou ícones do bairro, como o réveillon, os turistas e os cultos a Iemanjá, o que lhe garantiu o 4º lugar. Foi também a quarta vez que a escola desfilou e sua estreia no Grupo Especial de sua cidade.


O mesmo êxito não foi repetido pela GRES Alegria da Zona Sul, que desfilou com o enredo “Sacopenapã” em 2014 e amargou o 14o lugar da série A. Na época, a equipe do Jornal Posto Seis visitou o barracão e acompanhou os preparativos, assim como as dificuldades enfrentadas pelo grupo para fazer aquele carnaval, o único que falou sobre Copacabana no Sambódromo. Apesar do resultado naquele ano, a escola, cuja sede fica na Rua Saint Roman, segue firme no bairro e, em 2023, realizou seus ensaios na orla, aos domingos.


A última escola a escolher a região como enredo foi a Unidos do Salgueiro (2017), de São Gonçalo – não se trata do Acadêmicos do Salgueiro, . Sobre este, a equipe do Jornal Posto Seis não encontrou mais informações, mas, na pesquisa, localizou outras homenagens ao bairro, como a menção à Princesinha do Mar no samba da Portela de 2015 e a escolha da Avenida Atlântica como endereço do desfile da Beija-Flor em 2018, no desfile que viria a ser o campeão naquele ano.

Comentarios


Los comentarios se han desactivado.
bottom of page