Ação social leva alegria a hospitais e arrecada donativos para projetos necessitados


(Foto: Divulgação)

A pandemia obrigou a ação social Voluntários Engajados, que leva alegria a pacientes infantis internados em hospitais, a se reinventar. Apesar de as visitas já terem sido liberadas em três das instituições parceiras, o grupo viu necessidade de ampliar as campanhas beneficentes, passando a servir de canal entre interessados em doar e duas instituições escolhidas mensalmente, garantindo a rotatividade necessária para contemplar diversos grupos.


O trabalho, que começou com uma ação de sete amigos que visitaram o Hospital Municipal Jesus, em Vila Isabel, cresceu graças ao boca a boca e atualmente, reúne mais de 4 mil voluntários em um grupo no Facebook. Desde a primeira visita, aquele seleto grupo levou itens de higiene e brinquedos para distribuir aos pacientes e seus responsáveis, mas com o tempo, os profissionais de saúde também passaram a ser presenteados com uma caixa de chocolate Bis, o que funciona como um reconhecimento por seus esforços e também como uma maneira de conquistar suas simpatias. “Quando chegava aquela turma fantasiada, fazendo bagunça, eles sempre nos davam uma olhada meio estranha, afinal, ali é ambiente de trabalho. Decidimos, então, agradá-los também e passaram a nos receber com o maior sorriso. Eles sempre agradecem e pedem até para bater fotos”.


As imagens registram o visual alegre de cada visitante, o que contrasta com a seriedade dos hospitais. Todos os visitantes sempre se fantasiam, o que ajudam a alegrar a criançada. “Quando vai todo mundo com roupa colorida, é uma coisa, mas quando vai um Homem Aranha, uma Minnie, é diferente”, garante Rangel, que se diverte ao lembrar quando se vestiu de Galinha Pintadinha e Peppa Pig. Apesar de as ações serem destinadas ao público infantil, outros pacientes também se alegram com as interações. “Atendemos no Hemorio, por exemplo. Quando visitávamos a ala das crianças, passávamos também na dos idosos”.


Devido as restrições decorrentes da pandemia, as visitas nos seis hospitais conveniados com a ação foram suspensas. Nesses dois anos, três já voltaram a liberar o acesso, mas por segurança, apenas cinco voluntários vão a cada vez, contrastando com a realidade de outrora: em certa ocasião, 72 pessoas transportaram o clima de carnaval aos pacientes. Além dessa comemoração as visitas ocorrem também na Páscoa, nas festas juntas, no dia dos pais, no dia das crianças e no Natal e os presentes são entregues em todas. “Realmente doamos os produtos, não fazemos só a interação e acabou. Com a pandemia, o ambiente, que já era etéreo, ficou pior ainda sem visita nenhuma, um pouco mais triste. Criamos forma de passar as doações e tentar amenizar um pouco a dor”, menciona, mostrando a continuidade da ação à distância.


Outras mudanças, entretanto, permitiram o crescimento do projeto, que passou a ajudar ainda mais pessoas. Antes, havia o compromisso de visitar alguma ação social no intervalo das visitas. Em abril de 2020, o Voluntários Engajados passou a selecionar mensalmente alguma causa e escolhe duas instituições que desenvolvam trabalhos naquela área para receberem donativos, conforme suas necessidades. “Com a pandemia, o que era ruim ficou pior. Aproveitamos o momento para ajudar outros projetos. Muitos não têm nem página no Instagram nem base de voluntários forte. Desde maio de 2021, conseguimos bater a meta de entregar R$1 mil em produtos para cada uma. São R$2 mil por mês. É um pouco difícil levantar esse dinheiro, que nem é para a gente, mas sim para os outros”.


Uma maneira de arrecadar tem sido os aniversários voluntários, modalidade aderida por muitos dos interessados em ajudar. Cada aniversariante informa a seus convidados que, em vez de presente, deseja receber doações a serem entregues a algum projeto social. “Todo o dinheiro arrecadado fica na conta dele. A gente busca a instituição que está precisando de apoio; entende com ela qual o comércio que vende mais em conta aqueles produtos que ela precisa e faz a ponte entre o negócio e o aniversariante. Ele quem paga, a nota fiscal é emitida em seu nome e a loja entrega para a instituição, que, ao receber, bate foto para prestar contas. Tudo fica transparente e nenhum dinheiro passa por nós”, explica, mencionando que as pessoas nem precisam ir até os endereços, uma vez que até a comprovação da destinação dos itens pode ser feita online.


Atualmente, o grupo conta um banco de instituições cadastradas, muitas delas indicadas por voluntários. Elas são reunidas por causas e a cada mês, uma é selecionada, gerando ajuda para dois grupos listados. Para mobilizar os participantes, mensalmente é desenvolvido um vídeo de apresentação com detalhes da grupo, cujo representante é convidado para uma live. Posteriormente, essa gravação é editada, o que gera um compilado de cerca de dez minutos com os melhores momentos, apresentado ao público geral. “De pouquinho em pouquinho, a gente vai juntando doações até tentar bater a meta, aí seguimos para o próximo desafio. É meio cansativo porque é meio raro ver um projeto se mobilizando para ajudar outros”.


As campanhas de cada mês são lançadas sempre no dia 1º, promovendo a rotatividade dos temas atendidas. Para Rangel, isso é importante para abrir os olhos dos interessados em colaborar sobre a importância dos projetos. “Alguns adoram crianças; outros, animais. É bom a gente ficar rodando para a pessoa ver que são várias instituições com diversas necessidades. Muita gente quer ajudar, mas não sabe como começar e a gente fica tentando mudar um pouquinho a cabeça do outro. Por mais que goste de uma causa, há outras também super importantes que as pessoas podem conhecer e ajudar”.


O idealizador finaliza convidando todos a participarem: “O mais importante talvez nem seja a contribuição em si, que pode ser mínima. Há voluntários que doam todo mês com R$5 e fazem a diferença. O que ajuda muito é divulgação. Se você puder ir lá na nossa página e compartilhar a campanha do mês nos seus stories, mostrar para seus amigos o projeto, já é uma vitória para a gente. Nós compartilhamos tantas coisas nada a ver nas redes sociais, por que não mostrar uma campanha social? Mobilizem os amigos dos grupos do WhatsApp, a família, os colegas de trabalho! Vamos fazer o bem! A mudança começa pela gente!”.


Em abril, foram selecionadas duas bibliotecas comunitárias para serem atendidas pelo projeto: a Ninho das Águias, que atende as comunidades do Pavão-Pavãozinho e Cantagalo; e Maré de Luz, do Complexo da Maré. Mais informações sobre ambas e o trabalho do Voluntários Engajados podem ser obtidas no Instagram @voluntariosengajados