Coluna "Turismo": Nobres

(publicada na edição 521)

Fotos: Marcos Vergueiro/SECOM MT


A cidade de Bonito, no Mato Grosso do Sul, virou sinônimo de ecoturismo. É para lá que os viajantes vão quando pensam em conhecer rios cristalinos e outras atrações naturais. Em paralelo ao sucesso daquela cidade, Nobres, no Mato Grosso, também começa a se destacar com proposta semelhante, mas com valores mais acessíveis que a “parente” famosa, conhecida também por seus altos custos. Situada há uma hora e meia da capital, Cuiabá, possui incontáveis cachoeiras, rios, grutas e muito mais, encantando a todos que a visitam.


Todas as atrações, assim como a infraestrutura turística, são localizadas no distrito de Bom Jardim. Devido às curtas distâncias, é possível concentrar dois ou três passeios em um mesmo dia. Os ingressos devem ser adquiridos através de agências, já que eles ficam em propriedades particulares. Apesar dessa limitação, os preços são bastante convidativos (a partir de R$25 – orçamento feito em novembro de 2019), o que torna possível visitar quase todos. Muitas pousadas funcionam também como agência, facilitando a experiência de cada viajante e oferecendo até deslocamento até cada ponto de interesse (pago a parte).


O único que demanda trilha para ser acessado é a Cachoeira Serra Azul, uma enorme queda d’água cuja cor do poço impressiona. Para chegar, é necessário percorrer cerca de 800m e passar por quase 500 degraus de escada, mas o esforço é recompensado. Há quem considere o passeio mais completo, já que reúne banho no rio cristalino e repleto de peixes e caminhada pela natureza. Há ainda há a opção de descer de tirolesa. Os pertences podem ser deixados em um deck de madeira durante os 50 minutos disponíveis para visitar o local – a restrição permite que diversos grupos visitem o espaço sem que ele fique lotado demais para ser devidamente apreciado.

Cachoeira Serra Azul
Cachoeira Serra Azul

Quem quiser outra experiência na tirolesa pode repetir a dose de adrenalina no Refúgio Água Azul, que também é indicado para quem deseja relaxar na água cristalina e refrescante. Dedique algumas horas ao local, onde os visitantes dividem espaço com peixes enormes pelo tempo que desejarem. Trata-se de um braço do rio com 800m disponíveis para flutuação. Ao seu lado, fica o Aquário Encantado, igualmente adequado para a atividade e também repleto de peixes. Também ali perto fica o Reino Encantado, repleto de nascentes brotando e com o maior percurso entre os três. Nobres possui ainda outros endereços propícios para essa forma de lazer, como o Rio Triste e o Vale das Águas. Não há consenso entre os visitantes sobre qual o melhor: todos agradam, igualmente, aos visitantes. Entretanto, apesar do sucesso de todos, é importante lembrar que, por serem espaços naturais, é impossível garantir a riqueza da fauna em todos eles diariamente. Há relatos de turistas que foram em um dos lugares em um dia e não viram nenhum peixe, mas que, indo em outro logo em seguida, viu até arraias.

Aquário Encantado
Reino Encantado

Apesar das diversas opções de flutuações, os rios da região também podem ser aproveitados através de boia cross: os frequentadores sentam-se em boias e são levados pela correnteza, bastante suave, o que torna a atividade adequada até para famílias com crianças. O principal lugar é o Duto do Quebó, com mais de 1km de extensão. No final, uma surpresa: os praticantes são levados a uma caverna lindíssima, cujas estalactites brilham como pedras preciosas. Igualmente interessantes, o Boia Cross do Juca e a Estância da Mata também fazem muito sucesso!

Boia Cross do Duto do Quebó

Outra maneira de conhecer de perto a natureza de Nobres é visitando a Lagoa das Araras, onde as aves colocam seus ovos principalmente em setembro, quando ocorre a reprodução. Todos os dias, no fim da tarde, elas retornam, provocando uma revoada imperdível. Aproveite o pôr-do-sol (ou o nascer dele, quando os jacarés também costumam aparecer) para contemplar aquele momento, com os pássaros fazendo a trilha sonora. É aconselhado levar câmeras fotográficas com boa aproximação ou binóculos para ver bem os animais, melhor escutados que vistos por ali. Outros cantos podem ser ouvidos na Trilha do Megafone, onde, após cerca de duas horas de caminhada, os visitantes chegam ao equipamento que amplia os sons da natureza do entorno, proporcionando uma experiência imperdível!

Lagoa das Araras

Apesar da diversidade de atrações, a estrutura turística em Bom Jardim ainda está se desenvolvendo. Mesmo com diversas pousadas e agências de turismo, a maioria das operadoras telefônicas ainda não oferecem sinal na região. Em contrapartida, muitos estabelecimentos, como restaurantes, disponibilizam wi-fi. O distrito também não possui caixa eletrônico e não é possível pagar a maior parte dos ingressos, assim como custos adicionais (aluguel de equipamento para flutuação e/ou câmeras subaquáticas, por exemplo), com cartões, então é essencial viajar com dinheiro em espécie. Ficou interessado em fazer essa viagem? Aproveite o verão para se refrescar nos rios. Procure os anunciantes do Jornal Posto Seis e procure por mais informações