Coluna "Turismo": Estados Unidos (Alasca)

(publicada na edição 520)


Ao pensar no Alasca, a maioria das pessoas associa imediatamente à neve e ao frio. Engana-se quem pensa que esse distante estado norte-americano se restringe a isso. O local é um excelente destino turístico, tanto no inverno, quando as baixas temperaturas provocam frio intenso, quanto no verão, quando o branco que predomina a estação dá espaço a outras cores.


A capital, Juneau, possui bastante atrações, mas é inacessível de carro – não há estradas conectando ela a qualquer outra parte do país. Os veículos chegam a ela apenas de ferry boat, cujos valores, considerados altos, inibem o interesse dos turistas. Por este motivo, caso deseje alugar um, deixe essa cidade para o início ou fim da viagem pegando ele na locadora depois/devolvendo antes e chegue até ela de avião ou navio. Ainda assim, há quem julgue desnecessário devido às curtas distâncias – aos locais mais distantes, os hoteis costumam oferecer traslado. Apesar de muitos cruzeiros pararem naquele porto, Juneau possui atrativos para preencher diversos dias.


Um dos passeios considerados mais bonitos é o pelo fiorde Tracy Arm. A bordo de um barco, que navega por pequenos icebergs, pode-se conhecer a fauna local. Animais como leões-marinhos, baleias, ursos e aves diversas costumam ser vistos ali, em seu habitat. Outro local imperdível é o Mendenhall Park, a geleira mais famosa do Alasca. Em seu entorno, há diversas trilhas, mas algumas podem estar fechadas devido às condições climáticas. (é necessário consultar a disponibilidade diariamente). A mais famosa é a que leva a Nugget Falls, uma enorme cascata. mas a Photo Point também é bastante procurada. Não deixe de conhecer também, se possível, as cavernas de gelo. Importante: durante a visita, atente-se aos informes de segurança. É importante saber como agir, por exemplo, quando um urso aparecer. Eles costumam ir ao local pescar salmão, mas podem atacar caso se sintam ameaçados.. Outro passeio bastante procurado é a subida ao Mt. Robert, feita ou através de trilha ou bondinho (que não funciona no inverno). Do alto, pode-se ver a bela vista da cidade.


Apesar de Juneau possuir diversos atrativos, é a agitada Anchorage que atrai a maioria dos turistas – e, consequentemente, concentra mais lugares a serem visitados como o jardim zoológico., com animais diversos que ou são impossibilitados de voltarem à natureza (por terem sofrido acidentes ou serem doentes, por exemplo – para cada um, há uma explicação) ou estão ali de forma temporária, como uma reabilitação. Alces, caribous, bisões, tigres siberianos e muito mais podem ser vistos naquele espaço, que até outubro, foi moradia do urso polar Lyutyik, a estrela das transmissões ao vivo do local. Ele morreu, mas deixou seu companheiro, Cranbeary, esperando os visitantes. Outro lugar de recuperação é o Alasca Conservation Wild Life Center, que recebe hóspedes feridos ou órfãos temporariamente.

Alaska Wildlife Conservation Center, em Anchorage (Foto: © State of Alaska/Brian Adams)

Além dos espaços de apreciação da fauna, a cidade também é o local ideal para quem deseja conhecer outras peculiaridades do Alasca e seus povos (que nunca devem ser chamados de esquimós, termo apontado como pejorativo, já que parte do princípio de que se trata de um único grupo, quando, na verdade, são diversos com cultura e origens diferentes). No Anchorage Museum at Rasmuson Center, pode-se saber mais sobre a história, a etnografia, a arte e muito mais. Já no Alaska Native Heritage Center, que traz a cultura de diversas das tribos locais. Outra instituição imperdível é o Alaska Museum of Science and Nature, que traz até fósseis de dinossauros.


Anchorage também é uma das cidade-base para quem deseja explorar o Denali National Park. É nele que fica o enorme Monte Denali, o maior dos Estados Unidos (e até 2015, chamado Monte McKinley). Chegar a seu topo é uma tarefa para pessoas com muita experiência: trata-se da terceira maior montanha do planeta, sendo a mais alta da América do Norte; seu cume ultrapassa os 6 mil metros e sua latitude, distante da Linha do Equador resulta em noites extensas e geladas, que aumentam a dificuldade da subida. Apesar das dificuldades, é possível apreciá-lo de baixo, já que ele pode ser visto a muitos quilômetros de distância. O parque é todo cortado por estrada, o que possibilita a entrada de carros, mas ônibus de turismo também trafegam por ela. As possibilidades de trilhas são inúmeras, mas é necessário ter precaução: espécies diversas vivem ali e não devem ser incomodadas.

Denali National Park (Foto: © State of Alaska/Jocelyn Pride)
Denali National Park (Foto: © State of Alaska/Jocelyn Pride)

Anchorange também é muito procurada por quem deseja ver a Aurora Boreal: o Alasca é o único lugar nos Estados Unidos onde ela pode ser vista e suas aparições acontecem durante o ano inteiro, apesar de serem mais comuns no inverno. Entretanto, é na distante Fairbank que o fenômeno colore o céu com frequência, eventualmente aparecendo até sobre o centro da cidade. Para quem deseja uma experiência tradicional, agências vendem pacotes variados com opções para todos os gostos/bolsos, mas há quem prefira alugar carro e procurá-la por conta própria. Há ainda hoteis que oferecem serviço para acordar os hóspedes caso as luzes apareçam por ali, o que pode ser uma boa ideia: imagine acordar e descobrir que perdeu o espetáculo? Dependendo da época do ano, o sol da meia-noite também é visível (nesses dias, não há possibilidade de Aurora Boreal). Ele ocorre perto do solstício de verão e nesses episódios, é comum o sol permanecer no céu por meses sem nenhum momento de escuridão.

Aurora Boreal, em Fairbanks (Foto: State of Alaska/Chris McLennan)
Aurora Boreal, em Fairbanks (Foto: State of Alaska/Chris McLennan)

De volta a Anchorage, uma ideia de passeio é seguir de carro até Seward, a duas horas de lá. O caminho entre elas é pela Seward Highway Scenic Byway, apontada como a mais bonita dos Estrados Unidos.Vá sem pressa, contemplando cada paisagem e parando para fotos. Não perca o Beluga Point, onde as enormes baleias beluga costumam ser vistas pescando salmões. Já no destino final, o Kenai Fjord National Park é imperdível: através de um barco, os visitantes conhecem mais geleiras. Mesmo no verão, prepare-se para baixas temperaturas: agasalhos quentinhos são essenciais nesse passeio, considerado por muitos um dos mais bonitos da região e a fauna, como nos outros lugares, é um atrativo à parte: prepare-se para ver mais baleias, golfinhos, leões-marinhos, aves diversas e muito mais.

Kenai Fjord National Park, em Seward (Foto: © State of Alaska/Brian Adams)

Se interessou pelo Alasca? Aquele cantinho dos Estados Unidos possui inúmeros outros atrativos. Consulte os anunciantes do Jornal Posto Seis e agende sua viagem.