Academia Brasileira de Letras


Sede da Academia Brasileira de Letras, no Centro do Rio
Sede da Academia Brasileira de Letras

Na movimentada Avenida Presidente Wilson, uma construção antiga destaca-se entre os prédios altos. Trata-se da sede da Academia Brasileira de Letras (ABL), que funciona ali desde 1923. No local, ainda são realizadas as solenidades dos imortais da instituição. O que muitos não sabem é que as instalações são abertas ao público, que podem conhecer o interior do quase centenário prédio. A Academia Brasileira de Letras (ABL) foi idealizada na época do império, quando o intelectual Afonso Celso Junior manifestou o interesse em fundar um grupo literário semelhante à Academia Francesa. Sua ideia foi retomada pelo jornalista e romancista Medeiros e Albuquerque no início da República, inspirado no sucesso do periódico Revista Brasileira, lançada pelo escritor José Veríssimo. No dia 10 de novembro de 1896, foi noticiada a criação, sendo que a primeira sessão ocorreu somente em 15 de dezembro. Os membros - todos homens; as mulheres foram aceitas somente a partir de 1977 - foram definidos em 28 de janeiro e, além dos 30 presentes, foram escolhidos mais dez, somando um total de 40, como na França. A primeira sede era uma sala no antigo Museu Pedagogium, extinto em 1919 e que se situava no número 66 da Rua do Passeio. Em seguida, passou a ser o prédio do Silogeu, na esquina da Rua Teixeira de Freitas com a recém-aberta Avenida Beira-Mar (o trecho em questão, atualmente, chama-se atual Avenida Augusto Severo), onde funcionava também o Instituto Histórico Geográfico Brasileiro (que, após a demolição do imóvel, passou a funcionar no prédio vizinho). Em 1923, o governo francês doou à ABL o prédio chamado Petit Trianon, que havia sido o pavilhão deste país na Exposição Internacional Comemorativa do 1º Centenário da Independência, que teve início em 7 de setembro do ano anterior e terminou em julho. Foi a maior mostra já realizada no Brasil e contou com a participação de diversas nações. A proposta inicial era apresentar a evolução do Brasil nos últimos cem anos, mas a comemoração gerou o interesse de vários Estados, que foram integrados à ideia. A estrutura é uma réplica do palácio homônimo erguido pelo Rei Luís XV no século XVIII e que atualmente encontra-se no interior do parque do Palácio de Versailles. Em seu interior, diversos espaços podem ser visitadas, como o Salão Nobre (onde as solenidades são realizadas) e a Sala Machado de Assis, com objetos pessoais do escritor e um retrato pintado pelo artista plástico Rodolfo Bernadelli. A sede da ABL fica na Avenida Presidente Wilson, 203, ao lado do prédio Palácio Austregésilo de Athayde, erguido como anexo da instituição em 1979. As visitas guiadas são gratuitas e acontecem às segundas, quartas e sextas, às 14h. A idade mínima para participar é 12 anos. É necessária inscrição prévia, que pode ser feita pelo telefone (21 3974-2526) ou por e-mail (visita.guiada@academia.org.br).

Fonte: In: http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=2 In: http://www.rioquepassou.com.br/2005/01/09/detalhes-de-postal-2/ In: http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=7 In: http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=2148&sid=7