Cais do Valongo pode ser visitado virtualmente por turistas e educadores de todo o Brasil


O Cais do Valongo, que completou quatro anos como Patrimônio Mundial da Humanidade, agora pode ser conhecido de qualquer lugar do Brasil, através do "Cais de Ideias". O programa educativo produziu um curta-documentário, além de aulas e artigos que podem ser acessados no site e nas redes sociais do projeto. As oficinas foram ministradas por um time de arqueologia, educação museal, literatura, história e por representantes das instituições da região da Pequena África.

O território, que fica na região portuária do Rio de Janeiro, concentra locais históricos como a Pedra do Sal, o Instituto dos Pretos Novos, a Casa da Tia Ciata e o próprio Cais do Valongo. O filme apresenta essa história sob a perspectiva afrocentrada, a partir do protagonismo dos africanos escravizados que chegaram ao Brasil e ali se estabeleceram, trabalharam e forjaram o Brasil através de seus conhecimentos, cultura e resistência.

Além do vídeo, uma publicação com artigos compilados a partir de oficinas oferecidas a educadores da rede pública e privada do Rio de Janeiro também poderá ser acessada. Os textos são assinados pelos coordenadores educativos do "Cais de Ideias", Luís Araújo e Jessica Balbino, e também por pesquisadores, escritores e convidados que representam instituições culturais da Pequena África. Foram 16 oficinas virtuais, mais de 30 horas de ensino e cerca de 170 profissionais participantes. As oficinas serão postadas no Youtube do projeto semanalmente. Todo o material pode ser acessado pelo site: caisdovalongo.org.br.

Abordando temas como história, ancestralidade, cultura, arte, racismo, educação e representatividade, o projeto faz parte do programa de recuperação da região realizado e gerido pelo Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG), com o investimento da State Grid Brazil Holding (SGBH). O projeto Cais de Ancestralidades prevê ainda a instalação de guarda-corpo, iluminação cênica, sinalização e painéis expositivos no sítio do Cais do Valongo, que serão iniciados após a liberação de todas as licenças necessárias dos órgãos públicos envolvidos.

O projeto tem ainda o apoio da Prefeitura do Rio de Janeiro, BNDES, IPHAN, Secretária Especial de Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal.