Bono Surf Dog: cachorro que entrou para o Guinness Book faz sucesso com família nas redes sociais


Bono com o dono, Ivan Moreira (Foto: Divulgação)

O labrador Bono Surf Dog coleciona histórias para contar. Aos 11 anos, é o primeiro campeão brasileiro de surf dog, modalidade onde é pentacampeão mundial. Tais êxitos, somados à fofura do cão, somam a marca de 238 mil seguidores no Instagram, além de um público expressivo que o acompanha no Youtube e na série que protagoniza no Canal Off. Além de todo esse sucesso, Bono tem mais um motivo para ter seu talento no esporte reconhecido: ao surfar a mais longa pororoca no Rio Amazonas, bateu um recorde e entrou para o Guinness Book.


“Tudo aconteceu muito natural com o Bono. Desde a primeira vez que subiu na prancha já deu pra perceber que ele curtiu estar ali, que ele estava gostando ficar, principalmente pelos seus latidos de felicidade e o rabinho que não parava de abanar”, conta o dono Ivan Moreira, que desenvolveu a técnica de surf junto com o cão. Com o tempo, acertou o tamanho e a litragem exata da prancha que acomoda os dois, trabalho este feito em conjunto com o patrocinador.


A ideia de competir veio quando Ivan, que já foi federado em vários esportes, leu sobre o campeonato mundial de surf dog na Califórnia. A primeira ida foi em 2014 e para garantir o embarque do animal dentro da cabine do avião, acomodado no pé de Ivan, foram realizados exames e testes de comando, que deram a Bono um certificado de “service dog”. Com o documentos, Bono pôde também participar de trabalhos voluntários com crianças e jovens com câncer do Instituto Ronald McDonald e na Obra do Berço, atuando como cão terapeuta ao menos uma vez por mês.


Uma das viagens resultou em uma onda histórica, que colocou Bono e Ivan no Guinness Book. A dupla surfou a maior pororoca já registrada. “Surfamos primeiro a do Maranhão, no Rio Mearim, onde ficamos quase 9 minutos na onda, mas eu queria mais. A experiência foi muito legal!”, conta o dono, que preparou o cachorro para o grande momento. “Antes da viagem, dei umas remadas longas com o Bono, onde ele permaneceu na prancha por 45, 50 minutos. Fora isso, surfávamos 3x por semana e corríamos na areia fofa (Leblon – Arpoador – Leblon) quase diariamente. Eu tinha certeza que conseguiríamos ficar o máximo de tempo possível, tanto eu quanto ele estávamos muito bem treinados, e não deu outra. Ficamos até a onda acabar”. A dupla percorreu mais de 10km em cima da mesma onda durante 33 minutos.


O êxito só foi possível graças à personalidade calma do animal. “Bonão é conhecido como aquele cão ‘tranquilão’ que não se estressa com nada , não arruma confusão com ninguém, ‘fala’ com todo mundo… É um ‘bon-vivant’ que só quer saber de curtir a natureza e surfar!”. Foi essa pacificidade que o manteve durante 14 horas no barco rio adentro, até chegar no encontro com o mar. “Foi uma experiência que nunca mais iremos esquecer: surfar no meio da Floresta Amazônica”.


Há um ano e meio, a rotina de Bono mudou. Além de ter virado pai da labradora Cacau, a família se mudou para Búzios porque Ivan buscava mais qualidade de vida a família, composto também por sua esposa, a publicitária Camila Tani; o bull terrier Bali e a nova integrante, Mokeka, adotada em outubro. Na medida em que o grupo cresceu, as viagens aéreas ficaram mais complicadas, então o grupo tem se deslocado de carro. Recentemente, os cães protagonizaram a “Expedição 4 Patas”, que passou por 7 mil quilômetros no litoral do Nordeste. A viagem foi filmada e será transmitida na segunda temporada da série “Bono, O Cão Surfista”, exibida pelo Canal Off, da Globosat. Ainda assim, novas idas ao campeonato mundial de surf dog, em Huntington Beach, na Califórnia, são previstas, dessa vez com Cacau estreando no esporte.


“Há categorias onde os cães surfam sozinhos, com seus donos ou com outro cachorro na mesma prancha. Quero inscrever o Bono e a Cacau juntos. Ela começou com três meses e foi feita toda uma progressão primeiro numa prancha fora d’água. Depois, foi para a prancha, ainda fora d’água, e em seguida, para a piscina, onde se familiarizou. É claro que a presença do Bono ajudou muito, afinal, a Cacau sempre imitou o pai em tudo. Hoje, ela é mais viciada em surfar que ele. Não posso nem pegar na prancha que ela já começa a pular em cima”


Ivan enxerga que Mokeka também pode vir a ter sucesso no esporte. “Ela tem um potencial incrível. Nada super bem e subiu na prancha pela primeira vez sozinha. Já estamos evoluindo e ela está amando, o que é mais importante. Em pouco tempo creio que já estará num nível bem legal e, quem sabe, não vai competir com os irmãos?”. Já Bali... “Ele é um exemplo de como o cachorro consegue se acostumar com a água. Tinha pânico quando ia à praia e hoje ama, mas não gosta de ir pro fundo, até porque é um péssimo nadador”.


O sucesso da Família Surf Dog, como o grupo é identificado nas redes sociais, agrada a Ivan, que fica feliz com o reconhecimento. “É muito legal poder sentir esse carinho que os seguidores têm com a gente. Isso nos dá mais força pra continuarmos a compartilhar diariamente o que mais amamos fazer, que é proporcionar a melhor qualidade de vida possível para os nossos filhotes. Eu me considero um privilegiado por ter a possibilidade de dividir com meus melhores amigos o que mais amo fazer na vida, que é surfar!”.