Montagem portuguesa "A noite do choro pequeno" ganha versão brasileira e estreia no Rio


Dalilea Ayala e Sharon Barros (Foto: Fabio Martins)
Dalilea Ayala e Sharon Barros (Foto: Fabio Martins)

A peça portuguesa “A noite do choro pequeno” ganha a sua primeira montagem no Brasil e faz sua estreia no Rio de Janeiro, no dia 4 de setembro, no Teatro Candido Mendes, em Ipanema, bairro da Zona Sul. O curioso da montagem nacional é que o elenco, embora brasileiro, apresenta a peça em português de Portugal, o que causa imediata identificação dos espectadores com o período apresentado na cena e também com a ambientação, que está minimalista e de volta a metade dos anos 60. No palco, as atrizes Dalilea Ayala e Sharon Barros. A direção é assinada por Ricardo Brighi. A autoria do espetáculo é de João Ascenso, dramaturgo português. Curta temporada presencial até o dia 26 de setembro, aos sábados e domingos, às 20h30m.


O espetáculo trata de temas polêmicas vividos pelo público feminino, mas, ao mesmo tempo, é um texto leve e que diverte na dose certa, segundo o diretor. “Quando assisti à montagem portuguesa, saí extremamente tocado pela história das duas personagens da peça. É um texto que fala de mulheres e toca em pontos que são muito atuais, como a questão do machismo, da submissão, do assédio, da violência contra a mulher. Além disso a história se passa num período em que Portugal ainda vivia sob o peso da ditadura de Salazar. Isso também chamou minha atenção, visto que o Brasil já viveu situação parecida e atualmente se encontra num período difícil, com o fantasma da ditadura a rondar”, conta Brighi, que completa: “Também me apaixonei pela delicadeza do texto, o humor na medida certa e a intensidade das personagens. E como disse a atriz portuguesa Alexandra Sargento, que interpretou Maria Ana na montagem portuguesa, ‘a peça é sobre mulheres, mas não é apenas para mulheres’. É sobretudo um texto que se pauta nas relações humanas. No Brasil fiz questão de manter a simplicidade na montagem, por acreditar que a força está no texto, nas personagens. Além disso optei por mantê-lo original, no português de Portugal “.


A primeira montagem se deu em 2015, em Portugal, com elenco de lá, sob a direção do próprio autor. E, em 2019, voltou à cena, que foi quando Brighi tomou conhecimento do texto e do espetáculo, se encantou e negociou os direitos de montagem no Brasil para que ele mesmo dirigisse por aqui.


Para a coordenação artística, Brighi convidou Ciro Barcelos para contribuir com a concepção do espetáculo e, juntos, e também com a colaboração de Gerardo Franco, construíram o que se tornou o resultado final dessa montagem.

Sobre ‘A noite do choro pequeno’

A peça retrata a fuga de duas mulheres que se conhecem em uma estação rodoviária, à espera de um autocarro. Autocarro é o que chamamos de ônibus no Brasil. Ambientada em Lisboa, Portugal, em um período duro, ainda sob o governo de Salazar.


Na peça, as duas mulheres passam a noite na estação: uma está fugindo de seu marido, cansada da vida que levou até então; a outra está indo de encontro ao seu passado, de onde foi brutalmente retirada.


A estação rodoviária é o eixo central para o diálogo que acontece entre as duas. De lá se foge e de lá se resgata o passado. E o que se vê são duas mulheres em busca de si mesmas, às suas maneiras.

Serviço:

Temporada: de 4 a 26 de setembro

Sábado e domingo às 20h30m

Duração: 80 min

Classificação indicativa: 14 anos

Valor: R$ 60 inteira | R$ 30 meia

Teatro Candido Mendes - Rua Joana Angélica 63, Ipanema - 96803-1047