Livro aborda história da canoagem polinésia


Quando se fala das grandes navegações da humanidade, logo se pensa no período que fervilhou os séculos XV e XVI com naus de madeira, bússolas e sextantes. Porém, muito antes deste tempo havia um povo que já realizava incríveis façanhas marítimas no maior oceano da Terra, então desconhecido pelos europeus. O Oceano Pacífico é o berço dos maiores navegadores da Antiguidade: o povo polinésio e o seu legado é abordado no livro “Vou de Canoa”, recém-lançado pela escritora Luiza Perin. O lançamento é uma narrativa que surpreende ao contar a história do esporte por meio das primeiras migrações.


A principal ferramenta desta aventura foi sua típica embarcação, que hoje ganha o mundo na forma de esporte. Com uma leitura ímpar da natureza, esses velejadores do período da pedra polida entregaram-se a heroicas travessias oceânicas. De onde vieram e como desenvolveram suas técnicas de navegação são temas deste livro, que também traz relatos de desbravadores europeus da era da expansão marítima, de expoentes navegadores da modernidade e de transformadoras emoções experimentadas em remadas nos dias de hoje, quando travessias assumem uma curiosa simbologia que nos permite atravessar de um estado de consciência a outro. Em “Vou de Canoa”, Luiza Perin, fundadora de projeto homônimo, lança seu olhar sobre a cultura polinésia e resgata muitas destas histórias com sabor de mar.

O drama e a emoção ganham destaque no enredo com relatos em primeira pessoa, como uma travessia a remo perseguida por um tubarão tigre no Havaí, aventuras na floresta e um episódio de uma experiência de internação hospitalar. É com as histórias reais que a obra atrai outros leitores além dos interessados por assuntos relacionados à canoa. As entrevistas com os dois pioneiros do esporte no Brasil são ricas em detalhes de datas, locais e os principais fatos no país. A produção descreve desde o momento da compra da primeira canoa que chegou em terras brasileiras até a primeira vez em que entrou na água: “Ao ouvir essa história, antes mesmo de ver uma canoa polinésia pela primeira vez, senti que deveria haver algo de muito especial naquilo e fui instigada a conhecer a tal canoa, curiosa sobre esse esporte que parecia misturar energia, natureza e suor.” (“Vou de Canoa”, pág. 196)

Sobre a autora: Luiza Perin nasceu em Niterói. É fundadora do Projeto Vou de Canoa, programa socioambiental com missão de disseminar educação, esporte e cultura de forma integrada. Tem quinze anos de experiência com canoa polinésia e dezenas de artigos publicados sobre a história do esporte. É a primeira presidente da Associação Niteroiense de Va’a. Foi vencedora dos prêmios Sou de Niterói do Jornal O Globo na categoria esporte em 2019 e Alma do Mar do Aloha Spirit Festival em 2015. Acredita que o conhecimento cultural associado a prática esportiva pode gerar enorme ganho para o fortalecimento do esporte no país. O que mais lhe define como remadora é a paixão por travessias, de onde sempre tirou inspiração para alimentar, também, sua paixão pela escrita.