Espetáculo de dança contemporânea é apresentado no Sesc Copacabana


(Foto: Thiago Sabino)

Ponto alto da agenda cultural no início do Verão de 2022, o espetáculo de dança contemporânea “Velejando Desertos Remotos”, de Marcos Katu Buiati, ganha curta temporada no mezanino do Sesc Copacabana, de 13 a 16 de janeiro (quinta a domingo), sempre às 20h. É a primeira vez que um trabalho de autoria do coreógrafo, que vive em Brasília, é apresentado no Rio. Os ingressos custam R$ 30 (inteira), R$ 15 (meia-entrada), R$ 7,50 (associados do Sesc). A classificação indicativa é de 12 anos.


“Velejando Desertos Remotos” foi inspirado no livro “As Cidades Invisíveis” do escritor italiano Ítalo Calvino (1923-1985). O romance, considerado um dos mais importantes do século XX, completa 50 anos de seu lançamento 2022 e tem como personagem central Marco Polo, a viagem e o deserto, que servem de metáfora para a descoberta da vastidão do mundo interno de cada indivíduo. “A busca do lugar almejado torna-se minimamente possível quando se está em constante movimento”, destaca Buiati, que se inspirou na obra para esboçar estudos para uma coreografia que não seguiu adiante, há 15 anos, quando se formou em Dança. Apenas em 2012 estreou o primeiro trabalho de uma trilogia dedicada àquela publicação: “Irene”, nome de uma das cidades fictícias, que foi seguida de “Os Lugares Sem”, de 2015. Em 2016, estreou “Velejando Desertos Remotos”, com o apoio do Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna. Ao longo do processo criativo, foram mais de 250 horas de trabalho.


Essa combinação de poesia e metáfora levam ao palco um caleidoscópio da existência humana no gestual dos dançarinos. Estão ali camadas de relações da vida de uma pessoa, desde as estabelecidas com o espaço e o tempo até os ciclos, fechados ou não, a busca pelo ideal da perfeição, além das saudades e memórias. “A nossa necessidade de simbolizar, com a linguagem, com a maneira como vemos o mundo e as coisas, com os pesos e as levezas de nossas escolhas, com aquilo que se perde e com o que se anseia conquistar é o que propõe a composição de Velejando Desertos Remotos”, analisa.


Segundo o artista, a intenção nunca foi traduzir o livro em dança. “Até porque, o livro é composto por vários ‘contos’ (cada cidade é um rápido trecho de texto de no máximo duas páginas) e não existe nele uma narrativa linear, uma história com começo meio e fim, nem personagens que saem de uma história e continuam na próxima, a não ser pelas figuras de Marco Polo e do Imperador Khan, mas que não estão nas cidades em si, mas sim em interstícios entre os capítulos onde os diálogos entre os dois são expostos. Acho que como leitor, tive minha imaginação aguçada, e como criador, livremente interpretei todo esse imaginário em dança, trazendo também minhas experiências pessoais para o diálogo”, conclui. Espetáculo de dança contemporânea é apresentado no Sesc Copacabana


Serviço: Velejando Desertos Remotos Duração: 50 minutos. Classificação indicativa: 12 anos Únicas apresentações: de 13 a 16 de janeiro de 2022. Quinta a domingo, às 20h Local: Mezanino do Sesc Copacabana – 50 lugares Endereço: Rua Domingos Ferreira, 160, Copacabana, Rio de Janeiro - RJ Ingressos: R$ 7,50 (associado do Sesc), R$ 15 (meia), R$ 30 (inteira) | Informações: (21) 2547-0156 | Bilheteria - Horário de funcionamento: Terça a Sexta - de 9h às 20h | Domingos - das 13h às 20h.