Edição online do Festival Instrumental Mulambo Jazzagrário acontece em 10 e 11 de abril


Mais do que um projeto de música instrumental - o que já seria louvável, pensando-se no quão o gênero tem valorização aquém de seus muitos talentos no País -, o Festival Instrumental Mulambo Jazzagrário pode ser considerado um projeto político-musical. Especialmente agora.


Sua primeira edição aconteceu em 2016, na zona oeste do Rio de Janeiro. Um movimento em homenagem ao ativismo do multi-instrumentista carioca Fernando Grilo, que faleceu precocemente aos 22 anos, em 2015, quando viajava para fazer uma parceria com o percussionista Naná Vasconcelos, e influenciou uma geração de músicos, produtores e agitadores culturais da cena música instrumental independente e suburbana do Rio de Janeiro. Através de iniciativas como "Jazz na caixa" (na Vila Aliança, em Bangu), "Realengo of Jazz" (no Viaduto de Realengo), e a "Oficina de música criativa (em Manguinhos, Benfica), agitando a cena musical dos subúrbios da cidade com uma caminhada militante a favor da visibilidade da cena instrumental periférica, Grilo atingiu espaços marcados pela violência policial e abandono do estado, alimentando sons de qualidade de modo acessível e gestando assim uma rede de possibilidades para músicos das favelas e guetos.


Pois ao longo de seus quatro anos, o Mulambo Jazzagrário, festival batizado com o nome da banda de Grilo, vem se tornando uma ferramenta de resgate das narrativas sonoras marginais e busca servir como janela de visibilidade para a música instrumental periférica criada e potencializada nos subúrbios do país, que muitas vezes não alcança os grandes centros e a grande mídia, visto que o gênero é estigmatizado como algo hermético e elitista, mesmo com a popularização de ritmos como o choro e o samba-jazz.


Sua sexta edição acontece em 10 e 11 de abril, sábado e domingo, a partir das 16h, em formato on line, no youtube da Rádio Escada, com patrocínio da Lei Aldir Blanc, o que possibilitou a reunião de grandes nomes da música instrumental aos novos talentos garimpados por Nathália Grilo, viúva de Fernando Grilo, e Roberto Barrucho, que assinam a curadoria.


“A programação partiu de algumas premissas: o desejo de mostrar uma síntese do que foi o festival até aqui, então fizemos questão de convidar grupos que já figuraram em outras edições. E também de expandir o olhar para além da periferia e ter na programação também grandes referências do gênero, como Carlos Malta, Amaro Freitas e Djalma Côrrea, a fim de fazer uma reunião de diferentes gerações e, sobretudo, de realidades, assim como propor encontros inusitados com o clima de jam sessions que temos na nossa essência”, comenta Roberto Barrucho.


Nathalia Grilo complementa: “As jams sempre foram a grande pulsação da música instrumental em sua origem libertária, que é uma das nossas bandeiras. Assim como os inferninhos foram importantes não só na formação do gênero, mas também no sentido de empoderar músicos marginalizados, o festival se propõe a ser um espaço no subúrbio do Rio de Janeiro em que eles possam trocar, compartilhar, se desenvolver, se profissionalizar, encontrar com seus iguais e também com suas inspirações, que mostram algo importantíssimo: o caminho de transpor abismos é possível”.


As apresentações, que foram todas gravadas no início de março, na Arena Hermeto Pascoal, em Bangu, para garantir uma boa qualidade de imagem para o público, são: Amaro Freitas, Zona Oeste Instrumental + Djalma Corrêa + Carlos Malta, Jovem Palerosi + Jeolionaiz, Dembaia, MBÉ, Um Perrengue Chic, Lata Doida, Do Nada + Maria Bonita e Laranjazz + Mauricio Pazz.


Sobre os artistas e apresentações

10 de abril (sábado)

16h - MBÉ

Nascido e criado na favela da Rocinha, MBÉ (palavra yorubá que significa “existir”), é o nome que carrega o projeto solo de Luan Correia, que é músico, pesquisador, produtor cultural/musical e engenheiro de som ligado à cena da música experimental carioca, um dos redutos habitualmente mais brancos do jazz. É integrante do circuito da casa de shows e estúdio Audio Rebel e de suas noites experimentais, a Quintavant, e lançará em breve seu primeiro álbum pelo selo de mesmo nome. Sua apresentação no festival é feita apenas com um computador e mesa de som.


17h - Caio Oica e Um Perrengue Chic

O grupo no bairro de Ricardo de Albuquerque, Rio de Janeiro, tem a musicalidade que representa bem a cara do subúrbio carioca ligada ao movimento Black Rio e à música negra. Jazz, soul, neosoul e fusion se reúnem em levadas dançantescriado.


18h - Laranjazz convida Mauricio Pazz

Laranjazz é um trio da cena contemporânea de jazz carioca, formado na Lapa. A curadoria os convidou a uma performance conjunta com o paulista Maurício Pazz, hábil muiti-instrumentista das cordas — violão tenor, guitarra e bandolim. Com influências que vão do choro ao jazz, espraiando para ritmos de matrizes africanas presentes em diversas vertentes da música brasileira, Maurício integra a banda de nomes como Chico César e Luedji Luna. Neste encontro entre Rio-SP fazem releituras de clássicos da música brasileira e do mundo, como Moacyr Santos, João Donato e Chick Corea. Um elogio ao repertório clássico com o frescor de mãos contemporâneas em suas releituras.


20h - Amaro Freitas

Considerado como uma das revelações do jazz contemporâneo brasileiro por sua singular mistura do estilo com ritmos populares como frevo e maracatu, o pernambucano Amaro Freitas pode ser visto como a expressão do que o Mulambo Jazzagrário se propõe. Nascido em uma família que sequer tinha como pagar suas aulas no conservatório, quanto mais ter um piano, Amaro é hoje não só um dos nomes mais elogiados do gênero no Brasil, mas tem colhido também relevantes elogios pelo mundo afora. “Além de sua música ser revolucionária, sua postura também, deixando claramente de lado qualquer possível egotrip do artista de sucesso, o que pôde ser observado no palco e bastidores do festival”, comenta Nathália. A princípio com a apresentação programada para 30 minutos, Amaro pediu para que o tempo fosse prolongado, o que dá ao público uma hora de sua música.


22h - Zona Oeste Instrumental convida Carlos Malta e Djalma Corrêa

“Um dos pontos altos do festival”, diz a curadora Nathália. O grupo Zona Oeste Instrumental, como o próprio nome diz, é formado por músicos de jazz da região que se reuniram pela primeira vez em 2015, na série de shows “Contemporâneos”, da FUNARTE, com organização de Fernando Grilo, para um show em conjunto com Djalma Côrrea, um dos grandes nomes da percussão nacional. A apresentação se repete agora, no Mulambo Jazzagrário, com participação especial do flautista Carlos Malta, outro dos grandes nomes da música instrumental do País.


11 de abril (domingo)

16h - Jovem Palerosi + Jeolíonaiz

Outra jam proposta pelo festival, desta vez reunindo dois projetos de São Paulo: Jovem Palerosi, músico, produtor musical e artista multimídia que mistura jazz, música eletrônica e ritmos regionais brasileiros e já colaborou com diversos artistas da cena instrumental e eletrônica, com Jeolíonaiz, dupla formada por Jerona Ruyce e Fabio Olí, de Diadema, interior do estado, que funde jazz a ruídos cotidianos em improvisações com instrumentos percussivos, sopros e bateria no que chamam de “ciência do acaso”. O show em conjunto é todo costurado por performances usando máscaras feitas por elementos reciclados e figurinos elaborados em uma apresentação teatral.


17h - Do Nada + Maria Bonita

Um encontro proposto pelo festival entre o trio Do Nada, de Bangu, que com sua longa caminhada é uma referência na formação de outros grupos e artistas do subúrbio. Sua musicalidade funde o jazz a outros gêneros como o rock e o manguebeat pernambucano. No show, convidam a cantora e compositora Maria Bonita, outra figura importante na cena da região.


18h - Lata Doida

Banda de Realengo que acompanha o festival desde seu início, nascida de um projeto social que transforma sucata em instrumentos musicais. Os instrumentos, que podem não ser levados a sério num primeiro momento, surpreendem muito em sua musicalidade. Sua apresentação está muito ligada à tradição oral, em contações de histórias, geralmente feitas por mulheres, que integram as apresentações.


20h - Dembaia

Grupo composto por cinco mulheres no bairro Lins, Rio de Janeiro, que fazem um resgate das tradições africanas, especialmente da música e corpo. A apresentação conta com uma orquestra de tambores e performances de expressões do candomblé e outros elementos negros. “O show foi incrível, o que mostra o quão realmente precisamos ter mais mulheres no festival”, diz Nathália.


Serviço

Festival Mulambo Jazzagrário - 6ª edição

10 e 11 de abril, sábado e domingo

Horário: a partir das 16h em ambos os dias

Onde: Youtube da Rádio Escada