Diversas campanhas evidenciam o compromisso do jornal com a área social

Além do viés comunitário, cultural e histórico, o Jornal Posto Seis sempre foi marcado também pelo aspecto social. Em diversas ocasiões, suas páginas publicaram ações que ajudaram a transformar realidades tanto de indivíduos como de grupos, resultando em um futuro melhor a todos os contemplados.


A primeira, em 1998, foi em prol da menina Gisele, então com oito anos. Diagnosticada com câncer, ela perdeu seus globos oculares e seu corpo passou a rejeitar as próteses. Como sua mãe não possuía recursos para uma nova cirurgia, o jornal foi procurado para ajudar. Sensibilizada com a história, a equipe levou à orla e ao comércio uma campanha com o objetivo de levantar verba para a criança. Com o valor obtido, foi operada e teve suas cavidades prontas para receber a nova prótese, doada por uma clínica. O restante do dinheiro foi destinado à compra de materiais escolares adaptados para cegos e utilizados por Gisele.


Essa não foi a única vez que o Jornal Posto Seis atuou em prol de uma causa como esta. Em 2008, junto com outras entidades de Copacabana, beneficiou o menino Luciano, de 11 anos, com uma máquina de escrever Braille. O garoto, além de deficiente visual, sofria restrições motoras, o que o impedia de usar equipamentos como reglete e punção, comumente utilizados para escrever nesse sistema de escrita. Dois anos depois, ação idêntica contemplou outra criança nas mesmas condições: o menino Carlos Henrique, também de 11 anos, recebeu equipamento, que não é produzido no Brasil e a importação é muito cara.


Jornal arrecadou 1 tonelada de alimentos para a campanha Natal Sem Fome, em 2001

Dentre as campanhas de arrecadação, a de maior êxito foi a do Natal Sem Fome, em 2001. Naquele ano, a sede do Jornal Posto Seis se tornou ponto de coleta de alimentos não-perecíveis. A participação dos moradores foi imensa, resultando na obtenção de quase 1 tonelada: 256kg de arroz; 106kg de feijão, 130kg de macarrão, 125kg de açúcar, 33kg de café, 47 litros de óleo, 14kg de sal, 51kg de fubá, 55 litros de leite, dez latas de achocolatado, 2 duas embalagens de complementos alimentares, 105kg de farinhas diversas, sete latas de sardinha, oito caixas de extrato de tomate, um pacote de gelatina, 20 pacotes de biscoito e duas latas de milho.

Meia tonelada de alimentos foi arrecadada para o Solar Meninos de Luz no lançamento do livro "Conversa de Botequim - Crônicas do Barão do Posto 6"

Naquela ocasião, muitos brinquedos, livros e roupas também foram obtidos e estes itens, doados ao Solar Meninos de Luz que, posteriormente, foi contemplado por outra ação, em 2003, quando toda a renda obtida com a venda do livro “Conversa de Botequim – Crônicas do Barão do Posto 6”, escrito pelo jornalista Mauro Franco, foi revertida à instituição em forma de alimentos não-perecíveis. No total, meia tonelada foi entregue.

O Solar Meninos de Luz é parceiro do Jornal Posto Seis desde a primeira edição. Na foto, a fundadora, Yolanda Maltaroli e sua filha, Isabella Maltaroli

Escolinha Tia Percília é outra parceira de longa data. Na foto, a fundadora, Percília da Silva Pereira

O Solar Meninos de Luz foi tema de reportagens diversas, exemplificando o apoio do Jornal Posto Seis ao terceiro setor. A instituição, situada na Rua Saint Roman, oferece educação de qualidade a jovens em situação de vulnerabilidade social moradores do Pavão-Pavãozinho e do Cantagalo, além de atender suas famílias. A Escolinha Tia Percília, na Babilônia, também sempre recebeu apoio em edições variadas, que, durante cerca de 20 anos, exaltou o trabalho desempenhado no contraturno escolar das crianças e adolescentes da região, prevenindo a evasão escolar. Outros projetos sociais da região também contam com a parceria do Jornal Posto Seis, como as orquestras Violões do Forte e SindiRefeiçõesRJ, compostas por alunos da rede pública de ensino e recebem ali reforço escolar.

Orquestras Violões do Forte e SindiRefeiçõesRJ recebem divulgação constante (Foto: Divulgação)

A divulgação dos projetos sociais não se restringe à área de Copacabana e do Leme. O programa Golfinhos da Baixada, de Queimados, eventualmente é apoiado nas páginas do jornal, onde o apadrinhamento das crianças e as doações é divulgado. O mesmo acontece com o o Projeto Missões da Casa da Semente, de Duque de Caxias, que atua com crianças moradoras do Jardim Gramacho, muitas em situação de miséria, e nas idas anuais delas à praia. O Jornal Posto Seis participa até no entretenimento, ajudando a tornar a visita inesquecível. O Instituto Anjinho Feliz, que beneficia entre 180 e 200 famílias das comunidades do entorno do Estácio, é outro eventualmente ajudado principalmente em campanhas de arrecadação – em dezembro de 2020, a equipe do Jornal Posto Seis ajudou na entrega de 700kg de doações para o local.

Projeto Golfinhos da Baixada, de Queimados, foi tema de várias reportagens
O Jornal Posto Seis participa diretamente das ações que trazem crianças de Jardim Gramacho à Praia de Copacabana
O Instituto Anjinho Feliz recebeu, apenas em dezembro de 2020, 700kg de alimentos não-perecíveis

O Jornal Posto Seis atuou ainda na divulgação do Centro de Valorização da Vida. A organização não-governamental encarrega-se de ajudar quem sofre de solidão, desespero e, em casos extremos, deseja se suicidar. Através do contato, os voluntários tentam auxiliar aquele que procura socorro, sem julgamentos. Diversas reportagens foram publicadas difundindo o serviço responsável por salvar incontáveis vidas ao longo do tempo.