Coluna "Turismo": João Pessoa

(publicada na edição 490)

Paço Municipal (Foto: turismo.joaopessoa.pb.gov.br)

Com a alta do dólar, muitos brasileiros estão considerando conhecer destinos nacionais em suas férias, mas o preço dos passeios torna-se um empecilho para muitos deles. O que muita gente não sabe é que é possível passar uns dias no Nordeste com gastos relativamente baixos. A cidade de João Pessoa é uma dessas opções


O local proporciona cenários paradisíacos em suas praias com águas quentinhas, mas antes de sair para aproveitá-las, pode ser interessante conhecer a cidade, cujo centro histórico é considerado Patrimônio Histórico Nacional. João Pessoa foi a terceira capital fundada no Brasil e ainda concentra alguns prédios do século XVI abertos a visitação, como o Palácio do Governo, o Conjunto de São Francisco (composto pelo Convento de Santo Antônio e a Igreja de São Francisco, que, juntos, são o principal ponto turístico daquele destino por constituírem o maior monumento barroco da América Latina), entre outros imperdíveis.

Igreja de São Francisco (Foto: turismo.joaopessoa.pb.gov.br)
Igreja de São Francisco (Foto: turismo.joaopessoa.pb.gov.br)
Igreja de São Francisco (Foto: turismo.joaopessoa.pb.gov.br)

Na orla, outra construção bastante procurada por turistas é o Farol do Cabo Branco. Situado no alto de uma falésia, acreditava-se que ele marcava o ponto mais oriental do continente americano, mas com o advento da tecnologia, foi descoberto que, na verdade, esse título pertence à Ponta do Seixas, bem ali ao lado, um pouco mais ao sul. Situada na parte baixa do desnível, é necessário fazer um grande contorno para descê-lo, mas ainda assim, o banho no mar tranquilo e sem ondas atrai bastante visitantes. Entretanto, a melhor maneira de conhecer o Seixas é por meio da piscina natural que se forma quando a maré está baixa.

Piscina natural do Seixas (Foto: turismo.joaopessoa.pb.gov.br)

O acesso deve ser feito de barco e as agências cobram valores acessíveis por esse passeio, no qual os banhistas deparam-se com uma linda paisagem e uma enorme quantidade de peixes que vive ali. É indicado usar calçados (como chinelos de borracha) para evitar se machucar nas pernas. Ainda mais próximo da parte turística (muitos hoteis se concentram em Tambaú), fica outra piscina natural: a do Picãozinho, onde há muitos corais. Essa é menos visitada e, portanto, mais tranquila, o que também faz muitos visitantes escolherem-na.

Piscina natural do Picãozinho (Foto: turismo.joaopessoa.pb.gov.br)
Piscina natural do Picãozinho (Foto turismo.joaopessoa.pb.gov.br)

Outro passeio imperdível é visitar a Costa do Conde, no litoral sul da Paraíba. Distante cerca de 40 minutos de João Pessoa, elas chamam a atenção pela beleza. Há quem as aponte como as mais bonitas do Brasil devido à combinação das falésias com o coqueiros. Entretanto, as do litoral norte também costumam agradar quem as visitam e costumam ser mais vazias que as do outro lado, além de reservarem atrações imperdíveis como a execução do Bolero de Ravel acompanhando o pôr-do-sol na dos Jacaré (que é uma praia fluvial) – o espetáculo se repete há cerca de 18 anos.

Pôr do sol na Praia dos Jacarés (Foto: cabedelo.pb.gov.br)

Outro passeio único que pode ser feito a partir da capital é visitar as Itacoatiaras do Ingá. A viagem dura cerca de uma hora e meia e nesse local no interior, há pedras com inscrições rupestres talhadas. A formação rochosa cobre uma área de cerca de 250m². Há trechos com 50m de comprimento e 3m de largura, mas também melhores. Dentre as figuras, pode-se ver animais, frutas e constelações. Os autores das imagens, assim como o período em que foram feitos e o motivo delas estarem ali são desconhecidos. Seguindo por mais 45 minutos, chega-se a Campina Grande, a terra do maior São João do mundo e que também merece uma parada.


Em suas próximas férias, considere conhecer João Pessoa. Contacte os anunciantes do Jornal Posto Seis e reserve já o seu pacote.